Utilidade

IR 2019: saiba qual é a diferença entre dependente e alimentando e como declarar

Para efeitos de declaração de imposto de renda, dependente e alimentando são figuras diferentes. Normalmente, quem é dependente não pode ser informado como alimentando na mesma declaração e vice-versa.

O dependente pode ser um filho, pai, mãe, irmão, companheiro (a), desde que se encaixe em uma das definições oficiais estabelecida pela Receita Federal.

Já o alimentando é o beneficiário de pagamento de pensão alimentícia estabelecida por ordem judicial ou escritura pública. Portanto, normalmente será ex-esposa, ex-marido e filhos.

Mais ....

Em qual ficha declarar?

Dependentes devem ser declarados na ficha chamada "Dependentes". Já alimentandos devem ser informados na ficha chamada "Alimentandos".

A única exceção é para o ano da sentença que estabelece a pensão alimentícia.

"Nesse caso, é possível que parte do ano a pessoa tenha relação de dependência e, posteriormente, quando inicia-se o pagamento da pensão, passe a ter a relação de alimentando. Sendo esse o caso, o contribuinte poderá informar a mesma pessoa como dependente e alimentando na declaração", explica Cleiton dos Santos Felipe, especialista em imposto de renda da BDO.

O consultor lembra ainda que valores recebidos pelo alimentando a titulo de pensão alimentícia deverão ser considerados como rendimentos sujeitos à tributação mensal para o cálculo do imposto de renda, e que a tributação deve seguir a tabela progressiva, cujas alíquotas variam entre zero e 27,5%

 

Quem pode ser declarado como dependente

A Receita faz algumas exigências para evitar que algum contribuinte inclua, por exemplo, um filho de 30 anos, só porque é sustentado pelos pais. O diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos, lista abaixo as 8 situações em que é correta a inclusão do dependente:

 

  1. Companheiro(a) com quem o contribuinte tenha filho ou viva há mais de 5 anos, ou cônjuge;
  2. Filho(a) ou enteado(a), até 21 anos de idade, ou, em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;
  3. Filho(a) ou enteado(a), se ainda estiverem cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, até 24 anos de idade;
  4. Irmão(ã), neto(a) ou bisneto(a), sem arrimo dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, com idade até 21 anos, ou em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;
  5. Irmão(ã), neto(a) ou bisneto(a), sem arrimo dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, com idade até 24 anos, se ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau;
  6. Pais, avós e bisavós que, em 2018, tenham recebido rendimentos, tributáveis ou não, até R$ 22.847,76;
  7. Menor pobre até 21 anos que o contribuinte crie e eduque e de quem detenha a guarda judicial;
  8. Pessoa absolutamente incapaz, da qual o contribuinte seja tutor ou curador.

Mais Notícias

Cadastre sua empresa no maior Guia do Brasil

Clique Aqui e Prossiga

Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites